Os Abençoados

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Mateus 18:15-35

Mateus 18.15-35

15 Se teu irmão pecar contra ti, vai argüi-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste a teu irmão.
16 Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pelo depoimento de duas ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça.
17 E, se ele não os atender, dize -o à igreja; e, se recusar ouvir também a igreja, considera -o como gentio e publicano.
18 Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra terá sido ligado nos céus, e tudo o que desligardes na terra terá sido desligado nos céus.
19 Em verdade também vos digo que, se dois dentre vós, sobre a terra, concordarem a respeito de qualquer coisa que, porventura, pedirem, ser-lhes -á concedida por meu Pai, que está nos céus.
20 Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles.
21 Então, Pedro, aproximando-se, lhe perguntou: Senhor, até quantas vezes meu irmão pecará contra mim, que eu lhe perdoe? Até sete vezes?
22 Respondeu-lhe Jesus: Não te digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete.
23 Por isso, o reino dos céus é semelhante a um rei que resolveu ajustar contas com os seus servos.
24 E, passando a fazê-lo, trouxeram-lhe um que lhe devia dez mil talentos.
25 Não tendo ele, porém, com que pagar, ordenou o senhor que fosse vendido ele, a mulher, os filhos e tudo quanto possuía e que a dívida fosse paga.
26 Então, o servo, prostrando-se reverente, rogou: Sê paciente comigo, e tudo te pagarei.
27 E o senhor daquele servo, compadecendo-se, mandou -o embora e perdoou-lhe a dívida.
28 Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos que lhe devia cem denários; e, agarrando -o, o sufocava, dizendo: Paga-me o que me deves.
29 Então, o seu conservo, caindo-lhe aos pés, lhe implorava: Sê paciente comigo, e te pagarei.
30 Ele, entretanto, não quis; antes, indo-se, o lançou na prisão, até que saldasse a dívida.
31 Vendo os seus companheiros o que se havia passado, entristeceram-se muito e foram relatar ao seu senhor tudo que acontecera.
32 Então, o seu senhor, chamando -o, lhe disse: Servo malvado, perdoei-te aquela dívida toda porque me suplicaste;
33 não devias tu, igualmente, compadecer-te do teu conservo, como também eu me compadeci de ti?
34 E, indignando-se, o seu senhor o entregou aos verdugos, até que lhe pagasse toda a dívida.
35 Assim também meu Pai celeste vos fará, se do íntimo não perdoardes cada um a seu irmão.

Jesus explica como as questões entre os irmãos devem ser resolvidas (v. 15-17). E podemos relacionar isso com Seu maravilhoso ensino sobre o perdão (Efésios 4:32; Colossenses 3:13). Todavia, esta também é uma oportunidade para voltar ao assunto da Igreja, dando-nos essa promessa de vital importância: "Porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles" (v. 20). Desta presença procede tudo de que até a menor reunião dos crentes congregados no nome do Senhor Jesus necessita. Poderia faltar a bênção quando Ele, que é a fonte de todas as bênçãos, está ali, no meio dos que se reúnem em Seu nome? Aqui, essa promessa está conectada à autoridade conferida à Igreja (ligar e desligar) e à oração de dois ou três irmãos que pedirem qualquer coisa com a certeza de que lhes será concedido. Porém, quantos cristãos se esquecem da importância das reuniões de oração!

A parábola do servo que devia dez mil talentos (uma quantia enorme) nos faz recordar a dívida incalculável que Deus nos perdoou em Cristo (Esdras 9:6). Que são, em comparação a ela, as pequenas injustiças que temos de suportar? O divino perdão, do qual temos sido objetos, torna-nos responsável por praticar a misericórdia em todas as situações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Participe e ganhe!

Nos Acompanhe!

Facebook - Curta nossa Página…

Tecnogospel

Missões e Evangelismo

Vivos! O site da fé Cristã!

Publicidade

Divulgador

Publicidade