Os Abençoados

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Nossa História

Muitos fatos marcam a construção do templo da Assembléia de Deus de Madureira, entretanto, outros ainda não foram revelados. Os motivos são vários, vão desde o acúmulo de informações às dificuldades de manter contato com os veteranos que participaram da construção da Catedral de Madureira. Grande parte desses irmãos e irmãs, que se dedicaram à construção, já dorme no Senhor, mas foi possível reunir importantes informações através do diálogo com antigos obreiros que contribuíram na elaboração deste capítulo.

Lançamento da Pedra Fundamental – A construção do grande templo da Assembléia de Deus em Madureira foi iniciada graças a uma generosa oferta levantada no dia do lançamento da Pedra Fundamental. Deus estava dando mostra de que supriria todas as necessidades. Confiante na promessa de Deus, o pastor Paulo Leivas Macalão e demais obreiros não pouparam esforços para ver um grande sonho se tornar realidade: a construção do templo. Uma marca vital entre àqueles que haviam se comprometido em levar a obra adiante era a alegria. O espírito feliz removia a aspereza do ato de dar daqueles irmãos, pois sabiam que a atitude positiva transforma o sacrifício em prazer e que quando há alegria interior, nenhum desafio parece grande demais. Antes de iniciar a obra, o pastor Paulo Leivas Macalão considerava fundamental desenvolver uma boa equipe. Sua idéia principal sobre liderança é simplificada nestes termos: “Encontre pessoas de ação, que se tornarão realizadoras em seus campos de atividade... pessoas em quem você pode confiar. Em seguida, envelheçam juntos”.

Quando o Coração é Reto os Pés são Rápidos

Com o ânimo elevado, o povo transformou as dificuldades em significativos momentos de alegria. Eles diziam: “Vamos contribuir para a obra do Senhor como nunca o fizemos antes”. De fato, eles aprenderam que quando o coração é reto os pés são rápidos. Diante de tamanha determinação e alegria, a palavra “sacrifício” havia se transformado em sinônimo de “prazer”. Quem não se lembra das palavras do rei Davi, depois que Araúna lhe ofereceu uma de suas propriedades gratuitamente. Pelo que Davi lhe respondeu: “Não, antes quero comprá-la pelo preço devido. Não oferecerei ao Senhor meu Deus holocausto que não me custem nada” (2 Sm 24.24). Conhecedor deste fato, o pastor Paulo Leivas Macalão entendia que um ministério que nada custa, não glorifica a Deus”.


Uma Atitude de Fé e Ousadia - Se as dificuldades financeiras são deploráveis hoje para milhares de brasileiros, imagine como era a situação sócio-econômica do nosso país há 50 anos. Foi numa época marcada pela recessão econômica, quando o Brasil sofria ainda os efeitos da Segunda Guerra Mundial, que o pastor Paulo Leivas Macalão lançou o projeto de construção de um dos mais belos templos de nossa nação.

Dificuldades no Acabamento da Obra

Muito embora o templo já tivesse sido erguido, faltava-lhe pôr ainda os vidros nas diversas janelas espalhadas por todo o santuário. Quem conhece o belo templo de Madureira sabe que tais janelas se constituem num dos principais objetos de sua arquitetura. São vitrais enormes com vidros coloridos, dispostos com inigualável beleza e simetria. No entanto, faltando poucos meses para a inauguração, aumentava a preocupação do pastor Paulo Leivas Macalão com a falta de recursos financeiros para a compra e colocação desses vidros. O projeto arquitetônico incluía a contratação de um vidraceiro francês. Contudo, a realidade econômica da igreja não permitia sequer a contratação de uma empresa brasileira para fazer o serviço. Ele então intensificou a campanha, pedindo que os membros e obreiros cooperassem com mais liberalidade para o acabamento da obra. Muitos irmãos e irmãs, que eram simples trabalhadores e lavadeiras de roupas, “em meio às muitas provas e tribulações, manifestaram abundância de alegria, e a profunda pobreza deles superabundou em grande riqueza da sua generosidade” (2 Co 8.2). Mas, apesar da generosidade desses queridos irmãos, o orçamento era ainda um grande desafio, pelo que Deus levantou dentre os próprios fiéis alguém que pudesse colocar, gratuitamente, os vidros do templo. Coube ao irmão José Gualiato essa nobre e ardorosa empreitada. Ele nada exigiu, exceto o amor e as orações dos santos. Como não bastasse, o mesmo trabalhava na antiga Casa Garibalde, uma conhecida vidraçaria localizada no centro do Rio de Janeiro, na Rua da Conceição, nº 160.

Após o expediente, ele partia alegremente da empresa rumo ao templo de Madureira para a colocação dos vidros. Trabalhava todos os dias colocando vidros, das 18h às 23h, aproximadamente.

Hoje, aos 86 anos de idade, o pastor José Gualiato lembra que ao falar das dificuldades financeiras de sua igreja ao patrão, pediu a este que viabilizasse todo material necessário e parcelasse o valor do material em suaves prestações. Seu pedido, graças a Deus, foi prontamente atendido.

A Escada do Corpo de Bombeiros

Uma clara demonstração da providência divina foi à escada do Corpo de Bombeiros, cedida pelo Comandante do Batalhão da região. Para a colocação dos vidros, eram necessários vários andaimes, sem contar o esforço que era feito para montá-lo, desmontá-lo e reutilizá-lo. Todavia, Deus, que é “poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além do que pedimos ou pensamos” (Ef 3.20), providenciou a escada, tornando o serviço mais ágil e prático. Mais uma vez, o Senhor estava demonstrando ser o Deus da Provisão.

Como não bastasse, o Senhor continuou favorecendo a construção do templo, pois, na maioria das vezes, o vidraceiro quase sempre iniciava sua atividade à noite. No início, a luminosidade do templo era precária, o que dificultava seu trabalho. Como se sabe, o templo fica em frente de uma ferrovia próxima a estação de Madureira. Todos os dias, ao entardecer, um trem de carga parava durante horas com os faróis voltados para o santuário. Não havia dúvida de que esta era mais uma providência divina. Isto era tudo que o vidraceiro queria, pois assim, poderia terminar suas tarefas com redobrado cuidado e maestria.

Superando Crises e Provações

Numa ocasião em que o mover do Espírito Santo estava produzindo um grande avivamento, começaram também a vir lutas e provações. No entanto, o pastor Paulo Leivas Macalão sempre soube superar as crises com fé e oração. Sua determinação férrea sempre o ajudou a superar as circunstâncias adversas. Nos momentos difíceis de sua vida, assim dizia: “Não importa quão grande seja a pressão. O que importa, na verdade, é saber lidar com ela. Sei, com certeza, que os problemas não diminuirão, mas a minha capacidade de resolvê-los é que aumentará”.

As pressões sobre sua vida e ministério não o deixavam deprimido, pois através da oração, encontrava forças para superá-las com sabedoria. Tirava o fardo de suas costas e entregava-o a Deus. Ele transformava as pressões em momento de tranqüila devoção

Eu vi o Templo da Assembléia de
Deus de Madureira nascer

O reverendo Isaías de Souza Maciel, presidente da OMEB (Ordem dos Ministros Evangélicos do Brasil) sempre manteve um relacionamento amistoso com o pastor Paulo Leivas Macalão. Ele acompanhou de perto a construção do Templo e testemunhou fatos que muitos só passaram a conhecer depois que foram divulgados. Ele, no entanto, teve o privilégio de participar de cultos quando o Templo ainda não havia sido erguido. Como amigo íntimo do pastor Paulo Leivas Macalão, freqüentou sua residência e participou de reuniões de obreiros dirigidas pelo mesmo. Durante todo o desenvolvimento da obra, ali estava o reverendo Isaías de Souza Maciel presenciando, in loco, cada nova etapa da construção. Por isto, ele foi solicitado para relatar, nesta publicação, alguns fatos que marcaram a construção do exuberante Templo Matriz das Assembléias de Deus no Brasil - Ministério de Madureira. O texto a seguir é de sua autoria e foi publicado na íntegra:

Foi no dia 14 de março de 1948 que Deus concedeu ao seu servo, pastor Paulo Leivas Macalão, e ao grande rebanho que ele liderava, a alegria de lançar a pedra fundamental do futuro templo da Assembléia de Deus de Madureira. Aquela majestosa Casa de Oração, que se tornaria um marco de bom gosto, beleza e funcionalidade entre as igrejas evangélicas do Brasil, foi surgindo pouco a pouco no terreno comprado com muita dificuldade na Rua Carolina Machado, número 174.

Naquela época o povo de Deus não dispunha dos recursos de que dispõe hoje. Para que a construção se iniciasse foi necessário que os irmãos doassem suas pequenas economias. Outros ofertaram objetos que foram vendidos e o dinheiro imediatamente transformado em cimento, cal, madeira, pedra, areia e ferro. Paredes, colunas e a grande torre começaram a se erguer diante dos olhos atônitos e maravilhados dos que passavam na Rua Carolina Machado, como testemunho do que Deus pode fazer em resposta às orações e à união de um povo que o adora e serve com dedicação e fidelidade.

No decorrer daquelas obras, por diversas vezes Deus interferiu com milagres. Não havia água no terreno. Vários poços foram cavados, mas a água não jorrou. Porém, quando os irmãos resolveram orar pedindo a Deus água, uma fonte jorrou impetuosamente no porão da igreja, e as obras foram supridas com água em abundância.

Um inspirado biógrafo do pastor Paulo Macalão escreveu sobre aquele período de intensa atividade de construção do belíssimo templo: “Quem tivesse olhos espirituais para contemplar o espaço celeste que separava aqueles irmãos das santas moradas de Deus, certamente veria o grande número de anjos que subiam e desciam, ocupados em levar ao trono da Graça as orações daquela multidão que confiadamente suplicava a Deus pela conclusão daquele obra.

No dia 1º de maio de 1953, o templo foi inaugurado. Uma multidão de quase oito mil pessoas reuniu-se ali para louvar ao Deus que lhes deu aquele suntuoso templo adornado de magníficos vitrais, de possantes colunas, de sublimes ramalhetes de flores pintados no teto, de bancos e portas fabricados com madeira de lei. O Senhor se fez sentir em todo o amplo espaço da nave, em todo o seu esplendor e plenitude.

Durante as festividades de inauguração muitas autoridades civis e militares, se fizeram presentes. Enquanto o Hino Nacional era executado, a fita simbólica foi desatada pelo representante do Presidente da República, e o pastor Paulo Macalão e a irmã Zélia, seguidos das autoridades convidadas e dos demais pastores do ministério local e pastores convidados entraram naquela magnífica casa de oração, que foi construída na terra, mas podemos dizer que tem suas janelas e portas espirituais abertas para o céu.

Para acrescentar mais detalhes descritivos desse magnífico templo, recorro outra vez às palavras do citado biógrafo do pastor Paulo Macalão: “Seu interior, em estilo gótico, é cheio de uma certa majestade que faz interiorizarem-se os sentimentos, levando o coração e o espírito a adorarem a Deus. À noite, o amplo espaço da nave é invadido por uma suave luminosidade. Numa sucessão de curvas graciosas, arcos góticos, colunas entremeadas de ramagens floridas, cúpulas e pórticos de linhas dóceis, terminadas em curvas entrelaçadas de flores de gesso, a beleza surge espontaneamente diante dos olhos de quem se detiver a contemplar aquele templo do Senhor. A tonalidade suave das paredes, a largueza e amplitude do teto coroado de ramalhetes de flores artisticamente pintados, contribuem para que as diminutas lâmpadas, ocultas sob os frisos que se salientam em meia-parede produzam, em vários pontos, um bordado luminoso de várias cores. Porém, a majestade de Cristo e o esplendor de sua presença é o que se busca ali, na súplica e no louvor do seu santo nome”.

Que o templo-sede da Assembléia de Deus de Madureira continue a ser essa coluna de Deus na cidade do Rio de Janeiro, esse farol que há cinqüenta anos vem iluminando e orientando a navegação espiritual de milhares de almas no escuro e perigoso mar desta vida.

Hoje, este templo que abriga a Sede Nacional do Ministério de Madureira, tendo como presidente da Convenção Estadual o pastor Abner Ferreira, que também preside o grande rebanho do Senhor, tem como Presidente Nacional do Ministério de Madureira o bispo Manoel Ferreira. Ele é líder nacional e mundial do evangelismo na Seara do Senhor.

Rev. Isaías de Souza Maciel - Membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil,
Presidente Nacional do SASE, da OMEB, da CONBRASE, da APE, e Diretor-Presidente da Rádio Boas Novas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Participe e ganhe!

Nos Acompanhe!

Facebook - Curta nossa Página…

Tecnogospel

Missões e Evangelismo

Vivos! O site da fé Cristã!

Publicidade

Divulgador

Publicidade