Os Abençoados

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Educar-se para melhor Educar - Mario A. Marinho

A Importância da Educação Cristã no Ambiente Familiar: a perspectiva de uma Nova Visão Moral na Sociedade.

Sem a pretensão de fazer proselitismo religioso e, sobretudo, consciente de vivermos em uma laica nação religiosa composta, em sua maioria, de uma população cristã, o autor busca utilizar, como roteiro desta obra, a essência da sabedoria bíblica a qual considera a educação cristã no ambiente familiar como a ferramenta ideal de promoção do crescimento moral da sociedade. Tendo em vista que, nos últimos anos, pôde-se observar uma crescente e acelerada degradação moral a qual tem refletido na segurança, saúde, educação e, conseqüentemente, no âmbito familiar. O autor também se propõe a chamar a atenção dos pais, Igreja, Escolas e Sociedade para valorização da inclusão do ensino religioso na conjuntura familiar.

“Com muita responsabilidade e dedicação, através de estudos, análises e pesquisas sobre a educação familiar, procurei discorrer sobre este tema de grande relevância para a sociedade atual.”



Autor: Mário Antônio Marinho 
Mário Antônio Marinho é Presbítero e Supervisor de Congregação da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Teresina-PI. É também Bacharel e Professor de Teologia e concludente de Pós-Graduação em Docência do Ensino Superior.

Entre em contato com o Autor:
Telefones: (86) 9415-0459 | (86) 9979-6836 | (86) 8812-3703
e-mail: marinhothe@hotmail.com

Fonte: Portal Fiel


 

domingo, 18 de dezembro de 2011

Sinopse das Lições de 2012

1º Trimestre 2012
Título: A verdadeira prosperidade — A vida cristã abundante
Comentarista: José Gonçalves

Lição 1: O surgimento da Teologia da Prosperidade

Lição 2: A prosperidade no Antigo Testamento

Lição 3: Os frutos da obediência na vida de Israel

Lição 4: A prosperidade em o Novo Testamento

Lição 5: As bênçãos de Israel e o que cabe à Igreja

Lição 6: A prosperidade dos bem-aventurados

Lição 7: “Tudo posso Naquele que me fortalece”

Lição 8: O perigo que querer barganhar com Deus

Lição 9: Dízimos e ofertas

Lição 10: Uma Igreja verdadeiramente próspera

Lição 11: Como alcançar a verdadeira prosperidade

Lição 12: O propósito da verdadeira prosperidade

Lição 13: Somente em Jesus temos a verdadeira prosperidade


quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Festival Promessas: Globo Abre ‘Novo Tempo para o Evangelho’, Diz Fernanda Brum

O Festival Promessas, evento de música evangélica, foi considerado uma abertura de Deus através da maior rede de televisão do Brasil para a transmissão do Evangelho.



“Durante muito tempo a igreja brasileira pediu em oração um momento como esse que na verdade se inicia, não se finda nesse evento. é um tempo em que podemos nos expressar através da maior televisão do Brasil a mensagem do Evangelho pura” disse uma das cantoras participantes do evento, Fernanda Brum ao The Christian Post.

O evento, realizado pela rede de TV secular Globo, apresentou cerca de 8 horas de shows de música gospel, no Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro, reunindo cerca de 20 mil pessoas, segundo a polícia federal.

Diversas bandas consagradas se revezaram durante a apresentação. O hip hop abriu a tarde chuvosa, com o Pregador Luo seguido por outros estilos de música como o rock, com o reconhecido cantor Davi Sacer.
Ana Paula Valadão do Diante do Trono, grupo gospel considerado o maior da América Latina, fez pequenos “sermões” no meio de suas músicas em um estilo “sermão musical”.

Fernanda Brum, que é também pastora e missionária, disse em entrevista ao The Christian Post que esse é um momento histórico da abertura para a música evangélica e uma oportunidade para a transmissão do Evangelho.

“é um novo tempo para o Evangelho no Brasil e traz para nós muita reponsabilidade de seguir sendo mais crentes”, disse Brum, enfatizando que em nenhum momento houve censura ou impedimentos de se pregar o Evangelho.

Para a famosa cantora evangélica a abertura foi uma vontade de Deus e uma oportunidade para alcançar àqueles que ainda não se entregaram a Jesus Cristo. Seus conselhos aos evangélicos talentosos para a música é de que “utilizem de toda a arte que puderem para comunicar o Evangelho não por fama, não por dinheiro, não por vanglória, mas por causa de Jesus”.

No encerramento do evento, os cantores se reuniram para cantar juntos “Alto Preço” entoando juntos: “Com nossos olhos em Cristo, unidos iremos cantar". Sob aplausos, os milhares da platéia gritavam em um coro: “Jesus! Jesus!”, finalizando o festival.


segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Conheça a história do Dia da Bíblia

Conheça a história do Dia da Bíblia
Evento chegou ao Brasil em 1850, mas passou a ser parte do calendário oficial em 2001.

No segundo domingo de dezembro é comemorado o Dia da Bíblia, uma data que no Brasil passou a ser oficial em 2001 depois que foi sancionada a Lei Federal 10.335. Mas na verdade a comemoração surgiu em 1549 na Grã-Bretanha para lembrar a população a interceder pela leitura da Bíblia.

Quando os primeiro missionários vindos da Europa e também dos Estados Unidos começaram a chegar por aqui, isso em 1850, a data começou a ser timidamente divulgada, até que em 1948 foi fundada a Sociedade Bíblica do Brasil.

A entidade precisou trabalhar por muitos anos para que a comemoração fosse inserida no calendário oficial brasileiro, ontem, dia 11 de dezembro, segundo domingo do mês, diversos eventos aconteceram em todo o país para celebrar o Dia da Bíblia.

Este ano as celebrações que aconteceram tiveram como tema “A Bíblia para o Jovem”, sob o comando da Sociedade Bíblica do Brasil.

Fonte Noticias Gospel

Assista vídeo com mais informações sobre a Bíblia:








quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

A Igreja de Roma

Roma
“A todos os que estais em Roma, amados de Deus, chamados santos: Graça e paz de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo” (Rm 1.7).

Independente das diferenças raciais e culturais entre seus membros, a Igreja continua a expandir-se até aos confins da terra a exemplo do que ocorria entre os crentes romanos.

De acordo com Romanos 15.20-29, o apóstolo Paulo planejava passar por três cidades: Jerusalém, Roma e Espanha. Na primeira, seu objetivo era levar uma oferta recolhida pelas igrejas gentílicas (15.27; At 20.16). Na segunda, tencionava fazer de Roma sua base operacional a fim de evangelizar o Ocidente, uma vez que considerava sua missão no Oriente cumprida (15.19,20 cf. At 19.21). Na terceira, Espanha, não há qualquer menção nas Escrituras de que tal empreendimento tenha se concretizado. Entretanto, o propósito de Paulo se justifica se considerarmos que a Espanha ficava localizada no extremo Ocidente do mundo civilizado. Ali estava reunido um grande número de intelectuais e líderes, o que possibilitava uma atmosfera favorável ao debate e apresentação do Evangelho.

A fim de esclarecer esses dados, faça uma síntese da preparação e viagem de Paulo a Roma como indicamos a seguir: At 18.1-3: Paulo se encontra com Áquila em Corinto por ocasião da expulsão dos judeus de Roma; At 23.11: O Senhor impele e encoraja Paulo a testemunhar em Roma; At 25.10-12: Paulo apela para que seja julgado em Roma (cf. 26.32); At 27-28: viagem de Paulo a Roma.

Com o auxílio de um mapa, faça um resumo dos principais locais da viagem a Roma a partir de Cesaréia: Mirra, Bons Portos, Malta, Siracusa, Régio, Putéoli e Roma. Conclua explicando que durante os dois anos em que esteve preso em Roma (At 28.16,30-31), Paulo pregou e ensinou o Evangelho, escrevendo nessa ocasião as Epístolas de Efésios, Colossenses, Filemom e Filipenses.



No Dia de Pentecostes, quando os primeiros discípulos foram batizados no Espírito Santo, a cidade de Jerusalém achava-se repleta de judeus e prosélitos romanos, que testemunharam a gloriosa manifestação do poder de Deus (At 2.10). Neste dia memorável, militares e funcionários do governo romano, destacados na Palestina, foram salvos pelo Senhor, e ao retornarem à sua cidade, levavam a poderosa mensagem do evangelho (At 10.1,43-48; 2.10,41; 4.4; 5.14).

A igreja de Roma, por conseguinte, já existia quando Paulo escreveu esta carta (At 28.14,15).

Naquela igreja, surgiram dificuldades e dúvidas de natureza doutrinária. Alguns membros de origem gentílica abusavam da liberdade cristã com procedimentos que ofendiam os irmãos de origem judaica. A Epístola aos Romanos, a mais importante carta de Paulo, é a maior exposição da doutrina da salvação em toda a Bíblia. Pois responde a milenar pergunta: “Como pode o homem ser justo diante de Deus?” (Jó 9.2). Através desta epístola, o leitor é impelido a buscar e a conhecer qual seja a boa, perfeita e agradável vontade de Deus para sua vida (Rm 12.2).

A RAZÃO DA CARTA

O que motivou o apóstolo a escrever à igreja em Roma foi a exposição do Evangelho de Cristo. O tema da justificação pela fé predomina nos primeiros cinco capítulos.

Paulo estava no final de sua terceira viagem missionária, plantando igrejas nos grandes centros orientais do Império Romano: Éfeso, Corinto, Filipos etc, onde a Palavra do Senhor prosperava significativamente (At 19.11,20,26; Ap 1.4,11). O apóstolo já havia difundido o evangelho a partir de Jerusalém até as atuais Iugoslávia e Albânia (Rm 15.19).

Como já vimos, o evangelho estava bem difundido em Roma, onde o apóstolo menciona vários irmãos na fé (Rm 16.3-5). Agora Paulo, o incansável e corajoso homem de Deus, escreve aos crentes de Roma, manifestando o seu propósito de estar com eles (Rm 1.13,15; At 19.21).

O INÍCIO DA IGREJA EM ROMA

A igreja em Roma era muito expressiva. Por ocasião da epístola, já se estendera até Putéoli, o principal porto de Roma, numa distância de 200 quilômetros (At 28.13,14).

O modo como Paulo dirige-se aos irmãos em Roma mostra que ali havia uma igreja atuante bem antes da epístola ser escrita. Não há dados precisos dos primeiros anos do cristianismo em Roma, no entanto, pode-se inferir algo sobre o assunto em fontes literárias e arqueológicas confiáveis.

A comunidade judaica. Havia judeus em Roma já no segundo século a.C. Quando o imperador Pompeu, em 63 a.C, conquistou a Judéia, o número de judeus em Roma aumentou consideravelmente. Mas, por um decreto do imperador Tibério, os judeus de Roma foram expulsos da cidade, para logo em seguida retornarem em maior número. Em 49 d.C, o imperador Cláudio decreta uma nova expulsão de judeus da cidade — este fato é mencionado em At 18.2 — onde está dito que em Corinto, Paulo conheceu um certo judeu chamado Áquila, que havia recentemente chegado da Itália, com Priscila, sua esposa, por ter o imperador Cláudio decretado a expulsão dos judeus da cidade. Tudo indica que Áquila e Priscila já eram cristãos antes do encontro com Paulo em Corinto. Talvez fossem membros da primeira igreja cristã em Roma.

Na capital do Império Romano, desenvolveu-se, no século primeiro, o maior centro judaico do mundo antigo. Havia 13 comunidades e sinagogas com elevado número de membros.

Judeus no dia de Pentecostes. O Pentecostes era uma das sete festas sagradas de Israel. Estas prefiguravam eventos futuros na história da redenção efetuada por Cristo. O Novo Testamento confirma que elas eram profecias tipológicas da salvação (Cl 2.16,17; Hb 10.1).

Nos dias do Novo Testamento, judeus devotos, bem como gentios prosélitos de todas as partes do Império Romano, compareciam a Jerusalém para a celebração da Festa de Pentecostes (At 2.1,10; 20.16). É possível que alguns dos convertidos, quando da descida do Espírito Santo no dia de Pentecostes, tenham levado, num trabalho pioneiro, o Evangelho de Cristo a Roma (At 2.1,10,37-41).

Sendo Roma a capital do império, havia um fluxo constante de viajantes que se dirigiam de todas as partes para lá. O capítulo 16 de Romanos demonstra que muitos cristãos daquela congregação eram procedentes de outras regiões, especialmente da Ásia Menor.

Quando o testemunho cristão, repleto do poder do Espírito Santo, ressoou nas sinagogas em Roma, logo surgiram e multiplicaram-se igrejas na região, como acontecera em Damasco, Antioquia, Ásia Menor, Macedônia e Grécia. Multidões aceitaram a Cristo, conforme relata o evangelista Marcos: “E eles tendo partido, pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor, e confirmando a Palavra com sinais que se seguiram. Amém” (Mc 16.20).

A IGREJA EM ROMA NA ÉPOCA DA CARTA DE PAULO

Paulo, ao escrever aos romanos por volta do ano 57 d.C, destacou a fé daqueles crentes, tanto no início da epístola como no seu final (1.12; 16.19). Eles tinham muita fé, e esta já era conhecida por todos (1.8).

Uma igreja heterogênea. A lista de saudações de Paulo (no capítulo 16) evidencia que a igreja em Roma tinha um caráter heterogêneo. Havia judeus (convertidos), gentios e escravos. A menção de Paulo a seus “parentes” pode referir-se a seus irmãos de raça — judeus, agora convertidos a Cristo (9.3,4). É bem provável que estes fossem cristãos que o apóstolo conhecera em outros lugares durante suas extensas e prolongadas viagens evangelísticas, pastorais e administrativas e que, na ocasião em que escreveu a carta, residissem em Roma.

Áquila e Priscila, queridos irmãos, amigos e colaboradores de Paulo, foram obrigados a deixar Roma anteriormente. Mas, agora, estavam de volta, e sua casa era um dos locais de reunião da igreja (era prática comum na igreja primitiva a reunião nas casas dos próprios cristãos).

Uma igreja respeitada. Os crentes de Roma eram fiéis e dedicados seguidores de Cristo, segundo o evangelho (Rm 1.8,12; 6.17; 7.4; 15.14; 16.19). Conforme se lê em Rm 15.24, Paulo, por ocasião da epístola, contava com a assistência daqueles irmãos para a realização de uma obra missionária na Espanha. Em Romanos 16.16, Paulo transmite uma saudação das demais igrejas dirigida exclusivamente à igreja de Roma.

CONCLUSÃO

A igreja em Roma deixou exemplos de santidade, fé e visão evangelística de homens e mulheres capacitados para o santo serviço que, se seguidos, fortalecerão a Igreja atual. É um padrão a ser fielmente observado por todos aqueles que oram e lutam pela expansão do Reino de Deus.

“O Plano da Carta aos Romanos"

Paulo destaca alguns aspectos principais na carta aos Romanos. A doutrina da salvação é apresentada dentro de 4 itens essenciais: o teológico (1.18-5.11); o antropológico (5.12-8.39); o histórico (9.1-11.36) e o ético (12.1-15.33). Esse plano alcança toda a obra e contém verdades incontestáveis e irremovíveis.

1. Na esfera Teológica (1.18-5.11). Paulo apresenta a condição perdida dos homens, sem a mínima possibilidade de salvação por méritos próprios. Logo depois, Cristo é a solução, visto que, por meio de sua morte, todos podem ser justificados da condenação. O pecador é justificado mediante a obra expiatória de Cristo Jesus.

2. Na esfera Antropológica (5.12-8.39). Nestes textos a vida assume nova perspectiva. A ilustração do primeiro e segundo Adão coloca o crente de frente a uma nova realidade espiritual. O primeiro Adão foi vencido pelo pecado, mas o segundo o venceu por todos os homens. Em Cristo, o homem assume um novo regime de vida sob a orientação do Espírito Santo.

3. Na esfera Histórica (9.1-11.36). Paulo destaca a questão da rejeição de Israel ao plano divino. A doutrina da salvação é apresentada de forma explícita. Um grupo de judeus cristãos, ainda amarrado às exigências da religião judaica, queria impor sobre os gentios convertidos os mesmos requisitos exigidos pela lei mosaica. Entretanto, Paulo apresentou a obra salvadora de Cristo com sentido universal, extensiva a todos os homens.

4. Na esfera Ética (12.1-15.33). Paulo apresenta algumas implicações do Evangelho para a vida diária. Responsabilidades éticas para com a igreja, a família e a vida material são colocadas em destaque” (CABRAL, E. Romanos: O Evangelho da Justiça de Deus. 7.ed., RJ: CPAD, 2003, p.17).

Fonte: Lições Bíblicas, 1º Trimestre de 2006, Título: Salvação e Justificação — Os pilares da vida cristã

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Anjos da noite:voluntários distribuem sopa para moradores de rua no Centro de Teresina

Nas noites do centro de Teresina  tomadas pela degradação de usuários de drogas ainda há espaço para a solidariedade. Um grupo de voluntários conhecidos como anjos da noite distribuem sopa para os moradores de rua.




Igreja Batista da Vermelha.

Fonte: Meio Norte


sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Vigilia e Oração

HOJE VIGILIA 24 HORAS DE ORAÇÃO

Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca. Mateus 26:41 
 
Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca. Marcos 14:38 
 
Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para que sejais havidos por dignos de evitar todas estas coisas que hão de acontecer, e de estar em pé diante do Filho do homem. Lucas 21:36 

Mas, à quarta vigília da noite, dirigiu-se Jesus para eles, andando por cima do mar. Mateus 14:25

E, se vier na segunda vigília, e se vier na terceira vigília, e os achar assim, bem-aventurados são os tais servos. Lucas 12:38

Porque mil anos são aos teus olhos como o dia de ontem que passou, e como a vigília da noite. Salmos 90:4
 
PARTICIPE VOCÊ TAMBÉM!!!!




quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Águas Profundas

Tendo acabado de falar, Jesus disse a Simão: “Vá para onde as águas são mais fundas”, e a todos: “Lancem as redes para a pesca”. Lucas 5:4

Quando estamos próximos da orla não precisamos de muita fé para manter nosso barco em segurança. 

Quando estamos na praia tudo é fácil. Podemos facilmente voltar para a areia sem nos preocupar demais com a correnteza.

Mas o que acontece quando eu vou para águas profundas? E quando vou para o alto-mar?

Amyr Klink, um navegador que já atravessou o mundo em seu barco, já atravessou tempestades em alto-mar que o fizeram ficar acordado por mais de 24hs segurando o barco para não naufragar. 

Quando estamos em águas profundas não temos o controle sobre nós mesmos. O máximo que podemos fazer é contar com o Supremo. 

Porém são nas águas profundas que podemos experimentar o agir de Deus em nossas vidas. Em águas profundas, podemos lançar nossas redes e colher tudo aquilo que Deus preparou para nós. 

Nas águas profundas podemos mergulhar na presença de Deus de uma forma que jamais poderíamos imaginar ancorados na praia. É lá onde não temos o controle, que Deus assume o controle e nos faz ir a lugares que jamais imaginamos. Lugares profundos, lugares altos, lugares que homem normal jamais irá, apenas aquele que se entregou completamente a Deus. 

Que sua vida seja Dele! Que seu coração seja completamente dele! 

Fonte: Gospel+
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Participe e ganhe!

Nos Acompanhe!

Facebook - Curta nossa Página…

Tecnogospel

Missões e Evangelismo

Vivos! O site da fé Cristã!

Publicidade

Divulgador

Publicidade